Home

Remédios Suplementos e Vitaminas Vitamed  Vacinas  Para Alérgicos


Faça sua busca aqui !
Clinaire






ABCdoPRECO

PRODUTOS

Bula do Aldactone 50 Mg caixa com 30 comprimidos - pfizer


Dica de compra
Aldactone®
(espironolactona)
PARTE I
IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO
Nome: Aldactone®
Nome genérico: espironolactona
Forma farmacêutica e apresentações:
Aldactone® 25 mg ou 50 mg em embalagens contendo 30 comprimidos.
Aldactone® 100 mg em embalagem contendo 16 comprimidos.
USO ADULTO E PEDIÁTRICO
USO ORAL
Composição:
Cada comprimido de Aldactone® 25 mg ou 50 mg contém 25 mg ou 50 mg de
espironolactona, respectivamente.
Excipientes: dióxido de silício coloidal, aroma hortelã-pimenta, amido de milho, lactose
monoidratada, celulose microcristalina, estearato de magnésio.
Cada comprimido de Aldactone® 100 mg contém 100 mg de espironolactona.
Excipientes: sulfato diidratado de cálcio, amido de milho, povidona, estearato de magnésio,
águaa.
a = removida durante o processo de fabricação.
adn03com 2
23/05/05
PARTE II
INFORMAÇÕES AO PACIENTE
Aldactone® (espironolactona) é indicado no tratamento da hipertensão essencial,
distúrbios edematosos (relacionados a inchaço), tais como: edema e ascite (acúmulo
de líquido na cavidade abdominal) relacionados à insuficiência cardíaca congestiva,
cirrose hepática e síndrome nefrótica, edema idiopático; como terapia auxiliar na
hipertensão maligna. Aldactone® é indicado na prevenção da hipopotassemia e
hipomagnesemia em pacientes tomando diuréticos. Aldactone® é indicado para o
diagnóstico e tratamento do hiperaldosteronismo primário e tratamento pré-operatório
de pacientes com hiperaldosteronismo primário.
Aldactone® deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC),
protegido da luz e umidade.
O prazo de validade está indicado na embalagem externa do produto. Não use
medicamento com o prazo de validade vencido, pode ser perigoso para sua saúde.
O uso de Aldactone® em mulheres grávidas requer a avaliação de seus benefícios
bem como dos riscos que possam acarretar à mãe ou ao feto.
Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o
seu término.
Caso o uso de Aldactone® durante o período da amamentação for considerado
essencial, um método alternativo de alimentação para a criança deve ser instituído.
Informe ao seu médico se estiver amamentando.
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a
duração do tratamento.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
É muito importante informar ao seu médico caso esteja usando outros medicamentos
antes do início ou durante o tratamento com Aldactone®.
É muito importante informar ao seu médico o aparecimento de qualquer reação
desagradável durante o tratamento com Aldactone®, tais como: mal-estar, náuseas,
sonolência, dor de cabeça, dor ou nódulos nos seios, leucopenia (incluindo
agranulocitose), trombocitopenia, função hepática anormal, distúrbios eletrolíticos,
hiperpotassemia, cãibras nas pernas, tontura, alterações na libido, confusão,
distúrbios menstruais, alopecia (perda de cabelo), hipertricose (crescimento de cabelo
anormal), prurido, rash (erupção cutânea), urticária e insuficiência renal aguda.
Aldactone® é contra-indicado a pacientes que apresentam hipersensibilidade à
espironolactona ou a qualquer componente da fórmula; Aldactone® é contra-indicado
a pacientes com insuficiência renal aguda, diminuição significativa da função renal,
anúria (perda da capacidade de urinar), hiperpotassemia (aumento dos níveis
sangüíneos de potássio) ou doença de Addison.
Uma vez que Aldactone® pode causar reações como sonolência ou tontura, sintomas
esses que podem interferir nas habilidades físicas ou psíquicas para a realização de
adn03com 3
23/05/05
tarefas potencialmente arriscadas como dirigir veículos e operar máquinas,
recomenda-se que tenha cautela se estiver sob tratamento com este medicamento.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
NÃO TOME MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO; PODE SER
PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE.
PARTE III
INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Propriedades Farmacodinâmicas
Aldactone® (espironolactona) é um antagonista específico da aldosterona, atuando
principalmente através da ligação competitiva nos receptores de troca de sódio e potássio
aldosterona-dependentes, localizados no túbulo contornado renal distal. Aldactone® age
como um diurético poupador de potássio causando aumento nas quantidades de sódio e
água a serem excretadas enquanto o potássio e magnésio são conservados
Propriedades Farmacocinéticas
Aldactone® é extensivamente metabolizado no fígado com uma biodisponibilidade que
excede 90%. A administração concomitante com alimento aumenta a biodisponibilidade da
espironolactona, por aumentar a absorção e possivelmente diminuir o efeito de 1a passagem
da espironolactona.
A canrenona e 7-α-(tiometil) espironolactona são os principais metabólitos ativos. Tanto a
espironolactona quanto a canrenona estão mais de 90% ligadas às proteínas plasmáticas.
Aldactone® tem um início de ação diurética gradual com o efeito máximo sendo alcançado
no 3o dia da terapia. A diurese continua por 2 ou 3 dias após o final da administração do
mesmo.
Administrando 100 mg de espironolactona por dia durante 15 dias em voluntários sãos
(metabolizadores lentos) o tempo para atingir o pico da concentração plasmática (Tmáx),
pico da concentração plasmática (Cmáx) e meia vida de eliminação (T½) para
espironolactona é 2,6 horas, 80 ng/mL, e aproximadamente 1,4 horas, respectivamente.
Para os metabólitos 7-α-(tiometil) espironolactona e a canrenona, as Tmáx são 3,2 horas e
4,3 horas, as Cmáx são 391 ng/mL e 181 ng/mL, e as T½ são 13,8 horas e 16,5 horas,
respectivamente.
A eliminação dos metabólitos ocorre principalmente através da urina e secundariamente
através de excreção biliar nas fezes.
INDICAÇÕES
Aldactone® (espironolactona) é indicado para o tratamento da hipertensão essencial;
distúrbios edematosos, tais como: edema e ascite da insuficiência cardíaca congestiva,
cirrose hepática e síndrome nefrótica; edema idiopático; como terapia auxiliar na
hipertensão maligna; na hipopotassemia quando outras medidas forem consideradas
impróprias ou inadequadas; profilaxia da hipopotassemia e hipomagnesemia em pacientes
adn03com 4
23/05/05
tomando diuréticos, ou quando outras medidas forem inadequadas ou impróprias.
Aldactone® é indicado para o diagnóstico e tratamento do hiperaldosteronismo primário e
tratamento pré-operatório de pacientes com hiperaldosteronismo primário.
CONTRA-INDICAÇÕES
Aldactone® (espironolactona) é contra-indicado a pacientes com insuficiência renal
aguda, diminuição significativa da função renal, anúria e hiperpotassemia, doença de
Addison ou hipersensibilidade à espironolactona.
ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES
Gerais
O uso concomitante de Aldactone® (espironolactona) e outros diuréticos poupadores de
potássio, inibidores da ECA (enzima conversora de angiotensina), antagonistas da
angiotensina II, bloqueadores da aldosterona, suplementos de potássio, uma dieta rica em
potássio ou substitutos do sal contendo potássio podem levar à hiperpotassemia grave.
É aconselhável realizar uma avaliação periódica dos eletrólitos séricos, tendo em vista a
possibilidade de hiperpotassemia, hiponatremia e uma possível elevação transitória da uréia
plasmática especialmente em pacientes idosos e/ou com distúrbios preexistentes da função
renal ou hepática, para os quais a relação risco/benefício deve ser considerada.
Acidose metabólica hiperclorêmica reversível, usualmente em associação com
hiperpotassemia, tem sido relatada em alguns pacientes com cirrose hepática
descompensada, mesmo quando a função renal é normal.
Uso Durante a Gravidez e Lactação
Aldactone® não apresentou efeitos teratogênicos em camundongos. Coelhos que
receberam Aldactone® apresentaram taxa de concepção reduzida, aumento da taxa de
reabsorção e número menor de nascimentos vivos. Nenhum efeito embriotóxico foi
observado em ratos aos quais houve administração de altas doses de Aldactone®, no
entanto, houve relato de hipoprolactinemia limitada e relacionada à dose, assim como
diminuição dos pesos da próstata ventral e da vesícula seminal em machos e aumento da
secreção de hormônio luteinizante e dos pesos ovariano e uterino em fêmeas. Feminização
da genitália externa em fetos masculinos foi relatada em um outro estudo em ratos.
O uso seguro em grávidas ainda não foi estabelecido.
A espironolactona e seus metabólitos podem atravessar a barreira placentária. Por essa
razão, o uso de Aldactone® em mulheres grávidas requer a avaliação de seus benefícios
bem como dos riscos que possam acarretar à mãe ou ao feto.
A canrenona, um metabólito ativo da espironolactona, aparece no leite materno. Caso o uso
de Aldactone® durante o período da amamentação for considerado essencial, um método
alternativo de alimentação para a criança deve ser instituído.
adn03com 5
23/05/05
Efeitos na Capacidade de Dirigir e Operar Máquinas
Sonolência e tontura ocorrem em alguns pacientes. É recomendada precaução ao dirigir ou
operar máquinas até que a resposta inicial ao tratamento seja determinada.
Experiências em Animais
A espironolactona tem demonstrado produzir tumores em ratos quando administrada em
altas doses durante longo período de tratamento. Esses tumores não foram observados em
macacos quando administradas altas doses diárias durante mais de 52 semanas. Não há
certeza do significado desses achados com respeito ao uso clínico. No entanto, parece que
os efeitos nos ratos são secundários à indução do P-450 hepático metabolizando enzimas
nessas espécies. Tem se demonstrado que a disponibilidade e metabolismo da
espironolactona em ratos são marcadamente diferentes daquelas observadas no ser
humano. Aldactone® não apresentou efeitos teratogênicos em camundongos. Coelhos que
receberam Aldactone® apresentaram taxa de concepção reduzida, aumento da taxa de
reabsorção e número menor de nascimentos vivos. Nenhum efeito embriotóxico foi
observado em ratos quando administradas altas doses de Aldactone®, no entanto, houve
relato de hipoprolactinemia limitada e relacionada à dose, assim como diminuição dos pesos
da próstata ventral e da vesícula seminal em machos e aumento da secreção de hormônio
luteinizante e dos pesos ovariano e uterino em fêmeas. Feminização da genitália externa em
fetos masculinos foi relatada em um outro estudo em ratos. Em animais, incidência de
leucose mielóide dose-dependente (acima de 20 mg/kg peso) foi observada em ratos
alimentados com doses diárias de canrenoato de potássio (Soldactone) por um período de
um ano. Aldactone® é também metabolizado em canrenoato. Não foi observado aumento da
incidência de leucose em estudos de toxicidade crônica em ratos com Aldactone® em doses
superiores a 500 mg/kg/dia. A dose de Aldactone® recomendada em humanos é de 1,4 - 5,7
mg/kg/dia.
Nos estudos de carcinogenicidade por via oral a longo prazo (dois anos) do canrenoato de
potássio, foram observados no rato: leucemia mielocítica, tumores hepáticos, tireoidianos,
testiculares e mamários.
O canrenoato de potássio não produziu efeito mutagênico nos testes que empregaram
bactérias e leveduras. Produziu efeito mutagênico positivo em vários testes in vitro em
células de mamíferos após ativação do metabolismo.
Em uma experimentação in vivo efetuada em sistema de mamíferos, o canrenoato de
potássio não foi mutagênico.
INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Há casos relatados de hiperpotassemia grave em pacientes que fazem uso de diuréticos
poupadores de potássio, incluindo Aldactone® (espironolactona) e inibidores da ECA.
Aldactone® potencializa o efeito de outros diuréticos e anti-hipertensivos quando
administrados concomitantemente. A dose desses fármacos deverá ser reduzida quando
Aldactone® for incluído ao tratamento.
Aldactone® reduz a resposta vascular à norepinefrina. Devem ser tomados cuidados com a
administração em pacientes submetidos à anestesia enquanto esses estiverem sendo
tratados com Aldactone®.
adn03com 6
23/05/05
Foi demonstrado que Aldactone® aumenta a meia-vida da digoxina.
Foi demonstrado que ácido acetilsalicílico, indometacina e ácido mefenâmico atenuam o
efeito diurético do Aldactone®.
Aldactone® aumenta o metabolismo da antipirina.
Aldactone® pode interferir na análise dos exames de concentração plasmática de digoxina.
Acidose metabólica hipercalêmica foi relatada em pacientes que receberam Aldactone®
concomitantemente a cloreto de amônio ou colestiramina.
Co-administração de Aldactone® e carbenoxolona pode resultar em eficácia reduzida de
qualquer uma dessas medicações.
REAÇÕES ADVERSAS
As seguintes reações adversas foram relatadas em tratamento com Aldactone®
(espironolactona):
Geral: mal-estar.
Endócrino: neoplasma benigno de mama, dor mamária.
Gastrintestinal: distúrbios gastrintestinais, náusea.
Hematológico: leucopenia (incluindo agranulocitose), trombocitopenia.
Hepática: função hepática anormal.
Metabólico e Nutricional: distúrbios eletrolíticos, hiperpotassemia.
Musculoesquelético: cãibras nas pernas.
Sistema Nervoso: tontura.
Psiquiátrico: alterações na libido, confusão.
Sistema Reprodutivo: distúrbios menstruais.
Pele e Anexos: alopecia, hipertricose (crescimento de cabelo anormal), prurido, rash
(erupção cutânea), urticária.
Sistema Urinário: insuficiência renal aguda.
Outras reações também relatadas foram: sonolência, cansaço, dor de cabeça, confusão
mental, febre, ataxia, impotência. Foi observado carcinoma mamário em pacientes tomando
espironolactona, todavia uma relação de causa e efeito não pôde ser estabelecida.
Ginecomastia pode se desenvolver em associação com o uso de Aldactone®
(espironolactona) e o médico deve estar alerta para sua possível instalação.
O desenvolvimento da ginecomastia parece estar relacionado tanto à dosagem quanto à
duração da terapêutica, e é normalmente reversível quando o uso de Aldactone® é
descontinuado. Em raras ocasiões, algum aumento das mamas pode persistir.
adn03com 7
23/05/05
POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO
Para adultos, a dose diária pode ser administrada em doses fracionadas ou em dose única.
Hipertensão Essencial
Dose usual: 50 a 100 mg por dia, que nos casos resistentes ou graves pode ser
gradualmente aumentada, em intervalos de duas semanas, até 200 mg/dia. O tratamento
deve ser mantido por no mínimo duas semanas, visto que uma resposta adequada pode não
ocorrer antes desse período de tempo. A dose deverá ser, posteriormente, reajustada de
acordo com a resposta do paciente.
Doenças Acompanhadas por Edema
A dose diária pode ser administrada tanto em doses fracionadas como em dose única.
Insuficiência Cardíaca Congestiva
Dose usual: 100 mg/dia. Em casos resistentes ou graves, a dosagem pode ser
gradualmente aumentada até 200 mg/dia. Quando o edema estiver controlado, a dose
habitual de manutenção deve ser determinada para cada paciente.
Cirrose Hepática
Se a relação sódio urinário/potássio urinário (Na+ / K+) for maior que 1 (um), a dose usual é
de 100 mg/dia. Se essa relação for menor do que 1 (um), a dose recomendada é de 200 a
400 mg/dia. A dose de manutenção deve ser determinada para cada paciente.
Síndrome Nefrótica
Habitualmente 100 a 200 mg/dia. Aldactone® (espironolactona) não é medicamento
antiinflamatório, não tendo sido demonstrado afetar o processo patológico básico, e seu uso
é aconselhado somente se outra terapia for ineficaz.
Edema Idiopático
A dose habitual é de 100 mg por dia.
Edema em Crianças
A dose diária inicial é de aproximadamente 3,3 mg por kg de peso administrada em dose
fracionada. A dosagem deverá ser ajustada com base na resposta e tolerabilidade do
paciente.
Se necessário pode ser preparada uma suspensão triturando os comprimidos de
Aldactone® com algumas gotas de glicerina e acrescentando líquido com sabor. Tal
suspensão é estável por um mês quando mantida em local refrigerado.
adn03com 8
23/05/05
Diagnóstico e Tratamento do Hiperaldosteronismo Primário
Aldactone® pode ser empregado como uma medida diagnóstica inicial para fornecer
evidência presuntiva de hiperaldosteronismo primário enquanto o paciente estiver em dieta
normal.
Teste a Longo Prazo
Aldactone® é administrado em uma dosagem diária de 400 mg por 3 ou 4 semanas.
Correção da hipopotassemia e da hipertensão revela evidência presuntiva para o
diagnóstico de hiperaldosteronismo primário.
Teste a Curto Prazo
Aldactone® é administrado em uma dosagem diária de 400 mg por 4 dias. Se o potássio
sérico se eleva durante a administração de Aldactone®, porém diminui quando é
descontinuado, o diagnóstico presuntivo de hiperaldosteronismo primário deve ser
considerado.
Tratamento Pré-operatório de Curto Prazo de Hiperaldosteronismo Primário
Quando o diagnóstico de hiperaldosteronismo for bem estabelecido por testes mais
definitivos, Aldactone® pode ser administrado em doses diárias de 100 a 400 mg como
preparação para a cirurgia. Para pacientes considerados não aptos para cirurgia,
Aldactone® pode ser empregado como terapia de manutenção a longo prazo, com o uso da
menor dose efetiva individualizada para cada paciente.
Hipertensão Maligna
Somente como terapia auxiliar e quando houver excesso de secreção de aldosterona,
hipopotassemia e alcalose metabólica. A dose inicial é de 100 mg/dia, aumentada quando
necessário a intervalos de duas semanas para até 400 mg/dia. A terapia inicial pode incluir
também a combinação de outros fármacos anti-hipertensivos à espironolactona. Não reduzir
automaticamente a dose dos outros medicamentos como recomendado na hipertensão
essencial.
Hipopotassemia/ hipomagnesemia
A dosagem de 25 mg a 100 mg por dia é útil no tratamento da hipopotassemia e/ou
hipomagnesemia induzida por diuréticos, quando suplementos orais de potássio e/ou
magnésio forem considerados inadequados.
SUPERDOSAGEM
Superdosagem aguda poderá ser manifestada por náusea, vômitos, sonolência, confusão
mental, erupção cutânea maculopapular ou eritematosa ou diarréia. Podem ocorrer
desequilíbrios eletrolíticos e desidratação. Deverão ser tomadas medidas sintomáticas e de
suporte. Não existe nenhum antídoto específico. Tratar a depleção dos fluidos, o
desequilíbrio eletrolítico e a hipotensão através de procedimentos estabelecidos.
Hiperpotassemia pode ser tratada pela rápida administração de glicose (20 a 50%) e
insulina regular, usando 0,25 a 0,5 unidades de insulina por grama de glicose. Diuréticos
adn03com 9
23/05/05
excretores de potássio e resinas de troca iônica podem ser administrados, de forma
repetida, caso necessário. O uso de espironolactona deve ser descontinuado e a ingestão
de potássio (incluindo fontes alimentares) restringida.
PARTE IV
MS - 1.0216.0176
Farmacêutico Responsável: José Francisco Bomfim – CRF-SP nº 7009
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.
Número do lote e data de fabricação: vide embalagem externa.
Produto fabricado e embalado por:
Pharmacia Argentina S.A.
Buenos Aires – Argentina
Distribuído por:
LABORATÓRIOS PFIZER LTDA.
Av. Monteiro Lobato, 2270
CEP 07190-001 – Guarulhos – SP
CNPJ nº 46.070.868/0001-69
Indústria Brasileira.
S.A.C. Linha Pfizer 0800-16-7575