Home

Remédios Suplementos e Vitaminas Vitamed  Vacinas  Para Alérgicos


Faça sua busca aqui !
Clinaire






ABCdoPRECO

PRODUTOS

Bula do Besilato Anlodipino 10Mg Caixa com 30 comprimidos


Dica de compra
Classe Terapeutica
ANTIHIPERTENSIVO
Princípio ativo
BESILATO ANLODIPINO
Apresentação
10MG COM CX C/30
Número de registro MS
1.0465.0409.003-1
Medicamento Referência
NORVASC
Genéricos : 4
Anterior | Próxima

Indicação

É indicado para o tratamento da hipertensão como droga de primeira linha, podendo ser usado como agente único ou em combinação com diuréticos tiazídicos, alfabloqueadores, agentes betabloqueadores adrenérgicos ou inibidores de enzima conversora de angiotensina (ECA). Indicado para tratamento da isquemia miocárdica. É indicado para pacientes com insuficiência cardíaca crônica grave (classes III-IV-NYHA) sem sinais ou sintomas clínicos sugestivos da doença isquêmica de base.
Contra-Indicação

É CONTRA-INDICADO PARA PACIENTES COM HIPERSENSIBILIDADE CONHECIDA ÀS DIIDROPIRIDINAS, AO ANLODIPINO OU AOS OUTROS COMPONENTES DA FÓRMULA.
Precauções

- Uso durante a gravidez e lactação: não está estabelecida a segurança do uso de anlodipino durante a gravidez e lactação. Sendo assim, o uso na gravidez é recomendado apenas quando não existe alternativa mais segura e quando a doença por si só acarreta risco maior para a mãe e para o feto.

- Uso na insuficiência hepática: deve-se administrar o anlodipino com cautela devido ao prolongamento da eliminação do medicamento nestes pacientes.

- Efeitos na habilidade de dirigir ou operar máquinas: experiências clínicas mostraram que não ocorre interferência tanto na habilidade de dirigir quanto em operar máquinas.
Reações Adversas

Anlodipino é bem tolerado. Os efeitos colaterais observados com mais freqüência, em estudos clínicos placebo-controlados envolvendo pacientes com angina ou hipertensão, foram dor de cabeça, edema, fadiga, sonolência, náusea, dor abdominal, rubor, palpitações e tontura. Não foram observados quaisquer tipos de anormalidades clinicamente significantes nos testes laboratoriais relacionados ao anlodipino. Os efeitos menos freqüentemente observados incluem: alopecia, função intestinal alterada, artralgia, leucopenia, mal-estar, mudanças no humor, boca seca, mialgia, neuropatia periférica, pancreatite, sudorese aumentada, síncope, trombocitopenia, vasculite e distúrbios visuais, astenia, dor nas costas , dispepsia, dispnéia, hiperplasia gengival, ginecomastia, hiperglicemia, impotência, aumento da freqüência urinária. A relação de casualidade é incerta em muitos casos. Foram observados raramente reações alérgicas tais como prurido, erupção cutânea, angioedema e eritema multiforme. Alguns casos como hepatite, icterícia e elevações da enzima hepática raramente foram observados. Alguns casos graves requerendo hospitalização foram relatados em associação ao uso do anlodipino. A relação de casualidade é incerta em muitos casos.
Posologia

No tratamento da angina e da hipertensão, a dose usual de anlodipino é de 5mg uma vez ao dia, podendo ser aumentada para uma dose diária máxima de 10mg dependendo da resposta individual do paciente. Em pacientes com insuficiência cardíaca crônica grave (classes III-IV-NYHA) sem sintomas sugestivos ou sinais crônicos de uma doença isquêmica de base, a dose usual é de 10mg em dose diária única. Em pacientes idosos não há necessidade de ajuste da dose. Deve-se ter cautela em pacientes com insuficiência hepática. Em pacientes com insuficiência renal, deve ser empregada a dose habitual.
Observação

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA