Home

Remédios Suplementos e Vitaminas Vitamed  Vacinas  Para Alérgicos


Faça sua busca aqui !
Clinaire






ABCdoPRECO

PRODUTOS

Bula do Fosamax D 70 Mg caixa com 4 comprimidos


Dica de compra
FOSAMAX
A+ A- Alterar tamanho da letra - Composição
cada comprimido contem 10 mg de alendronatosódico, MSD. Os componentes inativos são: celulose microcristalina; lactose anidra; croscarmelose sódica; estearato de magnésio.

- Posologia e Administração
Fosamax deve ser tomado pelo menos meia hora antes do primeiro alimento, bebida ou medicação do dia, somente com água. Outras bebidas (inclusive água mineral), alimentos e alguns medicamentos parecem reduzir a absorção de Fosamax. Para facilitar a chegada ao estômago e reduzir o potencial de irritação esofagena, Fosamax deve ser tomado após o levantar, com um copo cheio de água e o paciente não deve deitar-se por pelo menos 30 minutos e até após a primeira refeição do dia. Fosamax não deve ser ingerido na hora de dormir ou antes de se levantar. Não seguir estas instruções pode aumentar o risco de ocorrência de experiências adversas no esôfago. Não é necessário ajuste posológico para pacientes idosas ou para pacientes com insuficiência renal leve a moderada (clearance de creatinina de 35 a 60 ml/min). Fosamax não é recomendado para pacientes com insuficiência renal mais grave (clearance de creatinina < 35 ml/min.) devido à falta de experiência com o produto nesta situação. Osteoporose em mulheres após a menopausa: a dose recomendada é de 10 mg uma vez ao dia. - Superdosagem: não há informações específicas relativas ao tratamento da superdosagem com Fosamax. Eventos adversos gastrintestinais tais como, mal-estar gástrico, pirose, esofagite, gastrite, úlcera, hipocalcemia e hipofosfatemia podem ocorrer. Deve ser administrado leite ou antiácidos, que se ligam ao alendronato. Devido ao risco de irritação esofagiana, não se deve induzir o vômito e a paciente de permanecer ereta.

- Precauções
Fosamax não é recomendado para pacientes com insuficiência renal grave. Assim como outros bifosfonatos, pode causar irritação local da mucosa gastrintestinal superior. Experiências adversas no esôfago, tais como, esofagite, úlceras e erosões esofagianas têm sido relatadas em pacientes que recebem tratamento com Fosamax. Em alguns casos têm sido grave e requereu hospitalização. Portanto, os médicos devem estar atentos a quaisquer sinais ou sintomas que mostrem uma possível reação esofagiana, e os pacientes devem ser instruídos para descontinuar o uso de Fosamax e procurar ajuda médica se desenvolverem disfagia, odnofagia ou dor retroesternal. O risco de aparecimento de experiências adversas graves no esôfago, pode ser maior em pacientes que se deitam após ingerir Fosamax e/ou em pacientes que não tomam o comprimido com um copo cheio de água, e/ou em pacientes que continuam tomando Fosamax após desenvolver os sintomas indicativos de irritação esofagiana. Portanto, é muito importante que o paciente receba e compreenda bem todas as instruções relativas à administração de Fosamax. Devido aos possíveis efeitos irritantes de Fosamax sobre a mucosa gastrintestinal superior, deve-se ter cautela quando Fosamax for administrado a pacientes com problemas gastrintestinais superiores ativos, como disfagia, doenças esofagianas, gastrite, duodenite, ou úlceras. Para facilitar a chegada ao estômago e assim reduzir o potencial de irritação esofagiana, os pacientes devem ser instruídos a engolir Fosamax com um copo cheio de água e não se deitar por pelo menos 30 minutos e até terem a primeira refeição do dia. Os pacientes não devem mastigar ou chupar o comprimido. Os pacientes devem ser especialmente instruídos a não tomar Fosamax na hora de dormir ou antes de se levantar. Os pacientes devem ser informados de que se não seguirem estas instruções podem ter um aumento dos riscos de problemas esofagianos. Os pacientes devem ser instruídos de que se desenvolverem sintomas de doenças esofageanas (como dificuldade ou dor ao engolir, dor retroesternal ou azia), devem parar de tomar Fosamax e procurar o médico. Devem ser consideradas outras causas para a osteoporose além da deficiência de estrógeno e do envelhecimento. Distúrbios no metabolismo mineral e do cálcio, tais como, deficiência de vitamina D e hipocalcemia, devem ser corrigidos antes de se iniciar a terapia com Fosamax. Gravidez: Fosamax não deve ser administrado a mulheres grávidas por não ter sido estudado neste grupo. Nutrizes: Fosamax não deve ser administrado a nutrizes por não ter sido estudado neste grupo. Uso pediátrico: Fosamax não deve ser administrado em crianças por não ter sido estudado em grupos pediátricos. Idosos: em estudos clínicos com Fosamax, não houve diferença nos perfis de eficácia e segurança, relacionados à idade. - Interações medicamentosas: se forem administrado concomitantemente é provável que os suplementos de cálcio, antiácidos e outros medicamentos administrados por via oral, interfiram na absorção de Fosamax. Desta forma as pacientes devem esperar pelo menos meia hora após ter tomado Fosamax, para tomar alguma outra medicação por via oral. Não se antecipa nenhuma outra interação medicamentosa com significado clínico. Um pequeno número de mulheres pós-menopausa com osteoporose recebeu estrógeno durante os estudos clínicos com Fosamax (intravaginal, transdérmico ou oral). Não se identificou experiências adversas atribuíveis ao uso concomitante destas drogas. Não foram realizados estudos específicos de interação. Em estudos de osteoporose pós-menopausa, Fosamax 10mg/dia foi utilizado concomitantemente em estudos clínicos de osteoporose pós-menopausa com uma ampla variedade de drogas prescritas comumente, sem evidência de interações clínicas adversas. Em estudos clínicos, a incidência de eventos adversos no trato gastrintestinal superior foi maior em pacientes recebendo terapia com doses de Fosamax maiores do que 10 mg/dia e compostos contendo aspirina.

- Reações adversas
estudos clínicos: nos estudos clínicos Fosamax foi geralmente bem tolerado. Os efeitos colaterais que foram geralmente leves, não requereram a suspensão do tratamento. As seguintes experiências adversas no trato gastrintestinal superior foram relatadas dor abdominal, dispepsia, úlcera esofageana, disfagia e distenção abdominal. Raramente ocorreu erupção cutânea e eritema. Adicionalmente, foram as seguintes as experiências adversas relatadas pelos pesquisadores como: dor no músculo esquelético, constipação, diarréia, flatulência e cefaléia. Experiência após a comercialização: as seguintes reações adversas têm sido relatadas no uso após a comercialização: esofagite, erosão esofagiana, úlceras esofagianas.

- Contra-Indicações
anormalidades do esôfago que retardam o esvaziamento esofagiano como estenose ou acalásia. Inabilidade de permanecer em pé ou sentado por pelo menos 30 minutos; hipersensibilidade a qualquer componente deste produto; hipocalcemia. Insuficiência renal grave (clearance de creatinina < 35 ml/min). Distúrbios no metabolismo do cálcio, deficiência de vitamina D.

- Indicações
tratamento da osteosporose em mulheres após a menopausa.

- Apresentação
caixas contendo 15 ou 30 comprimidos.